SISMA-MT
ESPIA AQUI CURSOS

Comissão do Congresso dos EUA que investiga invasão ao Capitólio intima YouTube, Facebook, Twitter e Reddit

Por Espiaaqui em 13/01/2022 às 21:22:32
Congressistas querem esclarecimentos de gigantes das redes sociais sobre ataque de 6 de janeiro de 2021. Gigantes das redes sociais são intimadas por comitê que avalia a invasão ao Capitólio dos EUA, em janeiro de 2021

TOBY MELVILLE / REUTERS

O comitê do Congresso que investiga a invasão ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021 intimou nesta quinta-feira (13) YouTube, Facebook, Twitter e Reddit para pedir-lhes registros que detalhem o uso das redes sociais para promover o ataque.

Foram enviadas intimações à matriz do YouTube, Alphabet (Google); à matriz do Facebook (Meta); e outros dois, em busca de registros que pudessem ajudar a explicar "como a difusão de desinformação e o extremismo contribuíram para o ataque violento contra a nossa democracia", confirmou Bennie Thompson, presidente do comitê que investiga o ato.

Thompson também deseja descobrir quais foram as medidas tomadas - se houver - por essas empresas para diminuir a disseminação de discursos de ódio.

A principal preocupação é divulgar o resultado das investigações antes das eleições de meio de mandato, que irão ocorrer ainda em 2022. Alguns americanos receiam que, se os democratas perderem o controle da Câmara nas eleições, há o risco de os republicanos dissolverem a Comissão.

Justiça dos EUA condena à prisão homem que participou da invasão do Congresso usando um capacete com chifre e uma lança

As empresas têm até 27 de janeiro para cumprir com a intimação. Segundo a Reuters, o Twitter se recusou a comentar e os porta-vozes da Meta e da Alphabet não responderam imediatamente aos pedidos de comentários. Um porta-voz do Reddit disse: "Recebemos a intimação e continuaremos a trabalhar com o comitê em seus pedidos".

"Não podemos permitir que nosso importante trabalho seja adiado ainda mais", disse Thompson

A empresa Facebook é uma das principais avaliadas durante investigações

Dado Ruvic / REUTERS

As intimações são o mais recente desenvolvimento na investigação do painel sobre as causas do ataque ao Capitólio pelos apoiadores do então presidente Donald Trump, e o papel desempenhado por Trump, que promoveu falsas alegações de que perdeu uma eleição fraudulenta para Joe Biden.

Anteriormente, o CEO da Alphabet e do Google, Sundar Pichai, o ex-CEO do Twitter Jack Dorsey e Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, também foram interrogados por legisladores, no último mês de março, durante uma audiência sobre desinformação e sobre o papel de suas plataformas na invasão ao Congresso americano.

Fonte: G1

Comunicar erro
UNIFLOR

Comentários

HBL
Link112