SISMA-MT
ESPIA AQUI CURSOS

Ativista da reforma agrária é assassinada na África do Sul

Por Espiaaqui em 11/05/2022 às 17:14:08

Nokuthula Mabaso, do movimento Abahlali baseMjondolo (AbM), uma organização que luta pela reforma agrária na África do Sul, foi morta a tiros no dia 5 de maio. É a segunda liderança da Comuna eKhenana morta em circunstâncias suspeitas em poucos meses. De acordo com militantes, as mortes tem participação do membros locais do Congresso Nacional Africano (CNA), o mesmo partido do presidente Cyril Ramaphosa.

"O CNA local quer que o terreno no eKhenana seja usado para fins privados e não para fins comunitários. O CNA é ameaçado por uma mulher que liderou a ocupação e continuou com a Comuna apesar da severa repressão ao longo dos anos e quando outros líderes estão na prisão, escondidos ou foram assassinados", diz o movimento da liderança assassinada em nota.

Mabaso foi assassinada com cinco tiros na frente de seus filhos.

Desde 2009, são 23 assassinatos de lideranças sociais, afirma o movimento Abahlali baseMjondolo. Antes de Mabaso, o vice-presidente da ocupação, Ayanda Ngila, foi morto em março deste ano.

Confira a íntegra da nota do Abahlali baseMjondolo:

Nokuthula Mabaso foi assassinada em eKhenana na noite passada

Nokuthula Mabaso, uma poderosa líder da Comuna eKhenana e da Liga das Mulheres, foi assassinada em eKhenana na noite passada.

A Comuna eKhenana tem estado sob ataque impiedoso por anos. Houve mais de trinta despejos ilegais e violentos, incluindo despejos em violação às ordens da corte. Pessoas foram agredidas, tiveram suas casas queimadas, foram presas sob acusações falsas e foram presas por longos períodos.

Em 8 de março de 2022, Ayanda Ngila, um jovem líder da Comuna que havia sido preso duas vezes sob acusações ridículas, foi assassinado. Ontem à noite, 5 de maio de 2022, por volta das 19h30, outra líder da Comuna, Nokuthula Mabaso, foi assassinada. Ela tinha quarenta anos de idade. Uma guerreira do nosso movimento que garantiu que mais de cem famílias tivessem terra e teto sobre suas cabeças não existe mais.

Além de ser uma poderosa líder no eKhenana e na Liga das Mulheres, Nokuthula também foi uma figura-chave no estabelecimento e gestão da criação de frangos que fazia parte do projeto de soberania alimentar muito bem sucedido na Comuna. Ela passou um tempo na prisão com Maphiwe Gasela e Thozama Mazwi, sob acusações fabricadas.

Ontem à tarde, ela fez parte da equipe que estava processando os alimentos recebidos como parte do programa de solidariedade alimentar do movimento após as enchentes. No início da noite, ela estava em uma reunião de camaradas que estavam fazendo planos para participar de um processo judicial hoje. Khaya Ngubane, o filho de NS Ngubane, o chefe local do partido Congresso Nacional Africano (CNA) que tem conduzido o ataque à Comuna, está agendado para comparecer hoje no tribunal. Nokuthula foi atacada quando saiu da reunião para ir a sua casa e atender a uma panela de arroz que ela estava preparando para seus filhos. Ela foi baleada cinco vezes, quatro nas costas, na frente de seus filhos. As outras mulheres correram para ela quando ouviram os tiros da arma. Ela ainda estava viva quando a encontraram. Ela morreu em suas mãos.

Testemunhas viram Khaya Ngubane assassinar Ayanda Ngila no dia 8 de março, mas a comparência de hoje no tribunal é sobre a época em que ele atacou Sniko Miya com um machado no dia 6 de março. O investigador deste caso está dizendo que não encontrou nenhuma prova que implicasse Ngubane no ataque a Sniko, mas que não falou com as testemunhas. O mesmo oficial esteve envolvido na prisão de nossos membros sob acusações falsas e recomendou que lhes fosse negada a fiança.

Anteriormente, NS Ngubane disse claramente no prédio do tribunal que "haverá derramamento de sangue no eKhenana".

Nokuthula tinha preparado uma declaração juramentada que seria usada hoje no tribunal na audiência de fiança de Ngubane. Sua declaração explica que não seria seguro para a comunidade, e especialmente para testemunhas do ataque com machado e do assassinato, se Ngubane recebesse fiança. Sua declaração, juntamente com uma declaração de Maphiwe Gasela, explica que as testemunhas dos crimes de Ngubane, que são mulheres, estariam em grave risco se Ngubane fosse libertado e que, no interesse da justiça, ele deveria ser mantido sob custódia.

Nokuthula foi uma das várias pessoas que testemunharam o assassinato de Ayanda, e poderia ter sido uma testemunha se o assunto fosse a julgamento. Ela também foi a principal respondente do caso de despejo que foi trazido pela municipalidade em eKhenana. Ela desempenhou um papel fundamental na luta pela ocupação, e na transformação da ocupação em uma Comuna. Ela foi corajosa ao coletar todas as informações sobre os vários casos que teriam levado à prisão de NS Ngubane, e muitos outros que estiveram por trás da destruição de eKhenana.

Não temos dúvidas de que o CNA local na área, liderado por este inescrupuloso pastor NS Ngubane, está por trás dos assassinatos de Ayanda e Nokuthula. Como já informamos anteriormente, NS Ngubane instrui abertamente a polícia de KwaKito (delegacia de polícia de Cato Manor) sobre quem prender e quem não prender e aconselha abertamente a autoridade promotora no Tribunal de Durban sobre como devem proceder com os casos relativos aos nossos membros.

Construímos uma Comuna na qual, de acordo com os princípios do AbM, os terrenos não são comprados e vendidos e os barracos não são alugados. O CNA local quer que o terreno no eKhenana seja usado para fins privados e não para fins comunitários. O CNA é ameaçado por uma mulher que liderou a ocupação e continuou com a Comuna apesar da severa repressão ao longo dos anos e quando outros líderes estão na prisão, escondidos ou foram assassinados.

Sempre que um líder emerge, ela ou ele se torna um alvo de agressão, acusações falsificadas ou assassinato. O CNA é covarde. Eles são assassinos. Eles são ladrões. Eles são nossos inimigos e o inimigo de toda pessoa que defende a justiça.

Perdemos agora vinte e três camaradas para assassinatos, assassinatos policiais e homicídios pela unidade de invasão de terras e segurança municipal desde 2009. Perdemos três militantes nos últimos dois meses.

O CNA, a polícia, a prefeitura, o Ministério Público e os magistrados que continuam mandando pessoas inocentes para a prisão depois que a polícia diz que eles prenderam para investigar (enquanto deveriam estar investigando para prender), todos precisam ser responsabilizados por seu papel no longo, violento e criminoso ataque ao eKhenana.

Observamos que o Ministro da Polícia ignorou todas as nossas tentativas de fazer com que ele interviesse. Observamos que a Comissão de Direitos Humanos não agiu apesar do fato de ter um relatório sobre este assunto. Observamos que a liderança nacional da autoridade repressiva não lidou com a crise em Durban apesar da nossa comunicação e dos protestos em seus escritórios.

A delegacia de polícia de Cato Manor fica a cerca de 500 metros do local onde Nokuthula foi assassinada. A polícia confirmou que ouviu tiros, mas demorou duas horas para que chegassem ao local. De fato, a liderança teve que dirigir até a delegacia de polícia para chamá-los quando as chamadas foram ignoradas. Entretanto, quando Mqapheli Bonono estava correndo para o local, a polícia conseguiu detê-lo, assediá-lo, atrasá-lo e multá-lo por uma luz danificada no carro que ele estava usando. Eles recusaram seu pedido para que o acompanhassem até o eKhenana.

A luta pela dignidade, pela terra e pela autonomia, continua a significar a morte. Nossos corações estão partidos.

Nokuthula era uma guerreira. Enterrá-la-emos com a devida honra.

Nokuthula deixa seu marido, Sibusiso Mhlongo, e quatro filhos: Nomfundo (23), Siyanda (19), Kwanele (17) e Júnior (5). Kwanele está vivendo com uma deficiência.

Umphakathi uyakhala. Umbutho wabampofu uyakhala. Umhlaba uyakhala.

* Com informações de Peoples Dispatch

Fonte: Brasil de Fato

Comunicar erro
UNIFLOR

Comentários

HBL
Link112